newli sustainably creative

Está a ver

Contexto

 

ursopolar

 

Contexto

 
 

OS MAIORES POLUIDORES

 
Os países industrializados são os maiores responsáveis pela emissão de gás carbono na atmosfera. A maior parte da degradação foi causada (historicamente) pelos países desenvolvidos.

Os EUA com 4% da população mundial, são os responsáveis por mais de 20% de todas as emissões globais de gases do efeito estufa.
Através do Protocolo de Kyoto, acordo internacional promovido pela ONU, em vigor desde Fevereiro de 2005, vários países industrializados comprometeram-se a reduzir em 5% as emissões de gases do efeito estufa até 2012 em relação aos níveis de 1990. O governo do presidente George Bush recusou assinar o tratado. Em oposição a esta decisão, presidentes de câmara de centenas de cidades americanas assumiram compromissos para reduzir suas emissões.

Para atingir as suas metas, os países ricos podem contar com o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), que permite a compra de “créditos de carbono” dos países em desenvolvimento, como o Brasil, adotando projetos que comprovadamente reduzam as emissões de gases de efeito estufa nos setores energético, de transporte e florestal (contempla a plantação de árvores mas não a conservação de florestas já existentes).

Os países desenvolvidos que mais emitiram gás carbono em 2004 foram, por ordem : EUA, Japão, Alemanha, Canadá, Reino Unido, Austrália, Itália, França, Espanha e Polónia. Os dados são do documento oficial da Convenção de Clima das Nações Unidas, 2006.

Considerando todos os países, os que mais contribuem para o efeito estufa são : EUA (20%), China (15%), União Europeia (14%), Rússia (6%), Índia (5,6%), Japão (4%), Alemanha (3%), Brasil (2,5%), Canadá (2,1%) e Inglaterra (2%). Fonte : World Resources Institute (2005).

A China superou os EUA em emissão de CO2 em 2006, por 7,5%, segundo a Agência de Avaliação Ambiental da Holanda. Os países desenvolvidos transferem muita indústria para a China. O país com uma população de 1,3 mil milhões, emite cerca de 4,7 toneladas de CO2 por habitante, contra 19,2 toneladas nos EUA.

A procura global por energia subirá muito nas próximas décadas devido a ascensão económica da China e da Índia, países que reúnem 40% da população mundial. As duas nações têm como principais fontes de energia o carvão mineral (energia “suja”). Uma alternativa é o desenvolvimento de novas tecnologias que utilizam a biomassa.

A queima de combustíveis fósseis é a principal causa do aumento da concentração de gases de efeito estufa na atmosfera e os impactos do aquecimento global ameaçam as florestas. O ambiente quente e seco fica mais vulnerável ao fogo. Se o mundo não for capaz de controlar a emissão de gases poluentes, a floresta Amazónica entrará em colapso. Grandes porções da floresta se tornarão em área de cerrado (processo de savanização) e causará uma grande perda de biodiversidade.

Segundo o WWF, “o motor hidrológico da Amazónia tem um grande papel na manutenção do clima global e regional. A água libertada por plantas na atmosfera e por rios no oceano influencia o clima mundial e a circulação das correntes oceânicas”.

 

O PLANETA APRESENTA SINAIS DE FEBRE

 

gelo_pub

 

A Terra pede socorro. Precisamos agir já.
Não podemos adiar medidas urgentes.